Eu tenho uma negação com a vida adulta

E eu tenho quase certa que eu não sou a única.

Quando eu era criança, assim como qualquer outra, eu não tinha tantos medos e o que eu mais queria era fazer 18 pra poder tirar carteira e ter um carro. Eu lembro de um sonho que eu tive quando era criança em que minha mãe tava sendo abduzida e eu chorava perguntado porque ela tinha que ir embora e ela dizia que eu não precisava mais dela, eu já tinha tirado carteira, tinha meu carro e ela já podia ir embora. (Notem que para o meu eu criança ser adulto era sinônimo de ter carro, apenas).

Na adolescência eu descobri o que era o real significado de “ser adulto” e comecei a entrar em processo de negação com isso. Eu queria voltar a ser criança, eu queria parar no tempo, eu queria tudo menos crescer. E olha que minha vida não tinha nada de pesado para eu lidar de verdade.

Já tem um ano que eu mudei pra Viçosa e já não vivo mais com a minha mãe, mas até agora eu não tinha experimentado da parte ruim de ser adulto. Minha mãe estava comigo no início me ajudando sempre. Esse ano eu não vou poder ficar pedindo ajuda pra ela sempre. Ela tem a vida dela e as coisas dela pra fazer em Timóteo, eu não posso simplesmente arrancar a minha mãe de lá pra ter ela comigo toda vez que eu sentir medo.

Minha mãe me criou pra ser independente, pra fazer minhas próprias escolhas, pra ser autossuficiente, mas quando apertasse mesmo, não ter orgulho e saber pedir ajuda. Porém eu nasci dependente. Eu tenho isso dentro de mim. Mas, pela criação que a minha mãe me deu, eu tenho a necessidade de ter alguém comigo, sabe. O conforto de ter alguém do meu lado para, caso eu precise, pedir ajuda. Não necessariamente ter alguém do meu lado pra sempre fazer as coisas por mim ou comigo. Dá pra entender?

Hoje que caiu a ficha de que eu saí de casa, mas só de corpo. Eu to tremendo e com um aperto da na garganta de choro que eu to segurando. Eu tenho que aceitar que eu tenho que crescer. Pra alguns isso pode ser ridículo, mas pra outros é relacionável. Pra uns crescer talvez seja mais fácil. Infelizmente não é pra mim. Só que eu não posso viver pra sempre assim, o quanto antes eu aceitar que é inevitável vai ser melhor. Não to dizendo que vai ser fácil ou rápido, é apenas necessário. Também não estou dizendo que vou me desligar completamente da minha mãe e nunca mais vou chorar com ela. Eu só tenho que aceitar que nem sempre ela vai poder estar ali. E isso dói.

Chorar não resolve problema, mas ajuda a aliviar a tensão e a pensar melhor depois.

Eu sempre fui uma pessoa que desistia de algo quando aquilo se tornava difícil. Tem um certo tempo, não muito, que eu to tentando trabalhar nisso. E isso faz parte também do meu “ser adulto”. Se eu sempre desistir de tudo, no final eu não vou ter conquistado nada. As coisas não vão vir fáceis e eu tenho que crescer e sair desse estado de negação.

Anúncios

Eu voltei, mas não sei se é pra ficar

1e35c130516cae106af02d0967508b32
(uma imagem legal, aleatória e completamente desconexa só pra ilustrar)

Olá pessoas, tudo bem com vocês? Eu devia estar estudando, mas comecei a pensar “pô e meu blog hein, que saudades de escrever nele”, então abri ele pra dar uma olhada e saudade aumentou.

Eu lembro que eu parei de escrever nele desde começou uma loucura sobre universidade. Checar lista de chamada, fazer matrícula, procurar lugar pra morar, fazer a mudança, me acostumar a morar sozinha, me acostumar com uma cidade nova… E no meio disso eu comecei a ter vergonha de ter um blog, e mal comentei com meus novos amigos sobre a existência dele. Alguns com quem eu falei, nem devem lembrar. Outros tem zero noção de que eu tenho/tive um blog. Sim, eu fiquei com vergonha de ser uma blogueirinha wannabe sem nenhuma fama e sem nenhum jeito, então larguei o blog pra lá. Eu também comecei a ficar sem tempo de pensar em “looks do dia” e com vergonha de ficar alugando meus novos amigos pra tirar várias fotos pra eu poder postar. E também, eu só estava saindo à noite, e todo mundo sabe como a qualidade de uma foto sem uma boa iluminação fica baixíssima. Ainda mas pra mim que sempre usou o celular pra fazer as fotos do blog. No início do ano eu nem saía de dia, pois não almoçava ainda no R.U., e eu também quebrei meu celular e isso dificultou muita coisa. Dentre elas, fazer amigos.

Continuar lendo

Algumas pessoas tem uma visão errada sobre o que é Feminismo

Antes de mais nada quero ilustrar o que é o Feminismo com uma imagem simples que qualquer um consegue entender.

ok? ok.

Eu quis fazer esse post por causa de umas coisas que eu vi em um perfil de uma pessoa no Facebook. Dentre um monte de babozeira tinha uma imagem diferenciando a “Mulher Feminista” da “Mulher Conservadora”.

A imagem começava dizendo que a “Mulher Conservadora” tinha marido e a “Mulher Feminista” não. Daí eu me perguntei o que uma coisa tem a ver com a outra?! As pessoas casam se elas quiserem, é uma escolha pessoal que não tem nada a ver com o fato da mulher ser feminista ou não. Muitos homens não casam e ninguém fica de mimimi por isso.

Depois falava que a “Mulher Feminista” tem pelos nas axilas e a “Mulher Conservadora” é bem cuidada e cheirosa. 1) Todo mundo tem pelo. Isso é algo natural do ser humano. 2) Não crie caso com o pelo alheio. 3) Vai numa clínica de estética e se depile com cera, meu caro homem que fez essa imagem, depois venha me contar com felicidade que você vai passar a fazer isso pelo menos 2x por mês sem chorar. 4) Eu conheço uma mulher conservadora que não se depila e ela ta muito bem no corpo dela e muito feliz com o marido dela. E ele feliz com ela. 5) Depilação é uma escolha pessoal (assim como casar). 6) Ser bem cuidada e cheirosa significa que a pessoa conhece o básico de cuidado pessoal: banho, desodorante e perfume, não tem nada a ver com o fato de depilar ou não.7) Ninguém cria caso com um cara que não depila axila.

No ponto seguinte dizia que a “Mulher Feminista” tem como hobby abortar e a “Mulher Conservadora” tem como hobby amar os filhos e o marido.
Quero fazer uma observação aqui:

hobby s.m.
(palavra inglesa)
Exercício e/ou atividade realizados como forma de prazer, contentamento, lazer etc; atividade feita sem obrigação; passatempo favorito

Ou seja, de acordo com a mente do ser humano que fez essa imagem as Feministas, pra passar o tempo, ficam fazendo filhos e abortando por diversão, enquanto as Conservadoras tem como lazer amar o marido e os filhos. Claro ne, porque abortar é super fácil! É só chegar no hospital falando “Ops engravidei! Gostaria de fazer um aborto porque eu amo abortar e isso não tem risco nenhum pra minha vida” que a equipe médica vai preparar tudo pra fazer o procedimento e no final do mês vai cair na conta do cartão dela. Uau, super divertido toda semana estar dando aquela voltinha no hospital, melhor lugar.
Queria dizer que o homem também aborta. Quando uma mulher engravida, ela não fez aquilo sozinha. O cara que abandona a mulher porque ela engravidou, está, naquele momento, abortando o filho. Ele não quis saber daquela criança e nunca mais voltará. Daí a mulher quer abortar por não ter condições de criar uma criança sozinha e é criticada “ah você não soube se cuidar sua vadia” enquanto o cara não é criticado pelo abandono. Lembrem que preservativo masculino é muito mais fácil de achar e mais barato do que os métodos contraceptivos femininos.
Ninguém tem como “hobby” amar alguém. Amar não é hobby. Não é algo que você faz quanto está entediado e quer passar o tempo.

Na imagem também falava que a “Mulher Feminista” acha que não precisa de homem e que todo homem é machista e opressor e a “Mulher Conservadora” sabe que precisa do marido do mesmo modo que ele precisa dela e sabe que homens e mulheres tem funções diferentes. 1) A questão não é que a mulher não precise do homem e que o homem não precise da mulher. O fato é que as mulheres eram criadas para serem dependentes enquanto os homens, para serem independentes. Desde então depender de alguém ou de alguma coisa virou sinônimo de ser mulher e acabou se tornou algo inferiorizado dizendo que quem fosse dependente era fraco e quem fosse independente era forte e “macho”. Hoje a situação é meio inversa: tem muito homem que não consegue sair da asa da mãe e muita mulher em cargos chefes. Ser dependente não significa que você é fraco ou inferior. Ser independente não é sinônimo de ser forte e bem sucedido. 2) Não, nem todo homem é machista e opressor. Apesar de parecer que a maioria é. 3) “sabe que precisa do marido do mesmo modo que ele precisa dela” é algo que deveria existir na mente de todo casal e é um princípio feminista: a igualdade entre gêneros. Ou seja, a “Mulher Conservadora” virou feminista nesse ponto. 4) Homens e mulheres não tem “funções diferentes”. Mais uma vez isso é algo cultural que foi passado por várias gerações de que existia essa de “coisa de menino” e “coisa de menina”. Uma mulher pode exercer trabalhos externos braçais e um homem pode cuidar da casa. Cada um faz o que quer e foda-se.

Tinha mais coisas na imagem, porém isso já ficou muito grande e sei que muita gente não vai ler tudo, mas se você chegou até aqui, obrigada. ❤