Eu tenho uma negação com a vida adulta

E eu tenho quase certa que eu não sou a única.

Quando eu era criança, assim como qualquer outra, eu não tinha tantos medos e o que eu mais queria era fazer 18 pra poder tirar carteira e ter um carro. Eu lembro de um sonho que eu tive quando era criança em que minha mãe tava sendo abduzida e eu chorava perguntado porque ela tinha que ir embora e ela dizia que eu não precisava mais dela, eu já tinha tirado carteira, tinha meu carro e ela já podia ir embora. (Notem que para o meu eu criança ser adulto era sinônimo de ter carro, apenas).

Na adolescência eu descobri o que era o real significado de “ser adulto” e comecei a entrar em processo de negação com isso. Eu queria voltar a ser criança, eu queria parar no tempo, eu queria tudo menos crescer. E olha que minha vida não tinha nada de pesado para eu lidar de verdade.

Já tem um ano que eu mudei pra Viçosa e já não vivo mais com a minha mãe, mas até agora eu não tinha experimentado da parte ruim de ser adulto. Minha mãe estava comigo no início me ajudando sempre. Esse ano eu não vou poder ficar pedindo ajuda pra ela sempre. Ela tem a vida dela e as coisas dela pra fazer em Timóteo, eu não posso simplesmente arrancar a minha mãe de lá pra ter ela comigo toda vez que eu sentir medo.

Minha mãe me criou pra ser independente, pra fazer minhas próprias escolhas, pra ser autossuficiente, mas quando apertasse mesmo, não ter orgulho e saber pedir ajuda. Porém eu nasci dependente. Eu tenho isso dentro de mim. Mas, pela criação que a minha mãe me deu, eu tenho a necessidade de ter alguém comigo, sabe. O conforto de ter alguém do meu lado para, caso eu precise, pedir ajuda. Não necessariamente ter alguém do meu lado pra sempre fazer as coisas por mim ou comigo. Dá pra entender?

Hoje que caiu a ficha de que eu saí de casa, mas só de corpo. Eu to tremendo e com um aperto da na garganta de choro que eu to segurando. Eu tenho que aceitar que eu tenho que crescer. Pra alguns isso pode ser ridículo, mas pra outros é relacionável. Pra uns crescer talvez seja mais fácil. Infelizmente não é pra mim. Só que eu não posso viver pra sempre assim, o quanto antes eu aceitar que é inevitável vai ser melhor. Não to dizendo que vai ser fácil ou rápido, é apenas necessário. Também não estou dizendo que vou me desligar completamente da minha mãe e nunca mais vou chorar com ela. Eu só tenho que aceitar que nem sempre ela vai poder estar ali. E isso dói.

Chorar não resolve problema, mas ajuda a aliviar a tensão e a pensar melhor depois.

Eu sempre fui uma pessoa que desistia de algo quando aquilo se tornava difícil. Tem um certo tempo, não muito, que eu to tentando trabalhar nisso. E isso faz parte também do meu “ser adulto”. Se eu sempre desistir de tudo, no final eu não vou ter conquistado nada. As coisas não vão vir fáceis e eu tenho que crescer e sair desse estado de negação.